Fim de Semana em Tróia

 

IMAGINE …

... Você está planejando suas férias anuais. E se ... o seu agente de viagens amistoso com seu sorriso mais bajulador faz a você uma oferta que você não pode recusar. Ele diz, esfregando as mãos:

"Temos uma oferta especial esta semana - você pode fazer uma viagem para Tróia e conhecer todos os grandes heróis - Agamenon, Heitor, Aquiles, para não falar de Helen, Cassandra e todas as grandes beldades. Você pode visitar a cidade atrás das grandes muralhas e passear pelas suas ruas, maravilhando-se com os templos, mansões e palácios luxuosos. Você pode ver todas as glórias do acampamento grego, as tendas de luxo, com maravilhosos móveis de campanha dos reis e suas coroas magníficas. Você vai ver o cavalo de madeira e estará presente na derradeira batalha entre troianos e gregos".

 

--- Tróia...

Bem, pensa você. Isso parece bem interessante – e o preço é realmente tentador. E o que você vê na sua mente é a versão hollywoodiana de Tróia – heróis bonitões e sarados e belas mulheres vestidas na última moda, paisagens estonteantes e vistas maravilhosas. Entusiasmado, você assina na linha pontilhada ...

Mas quando você chega ao destino, descobre que o conceito hollywoodiano de Tróia é uma balela. Esqueça as paisagens maravilhosas, não existem, pois dez anos de guerra tornaram os arredores de Tróia um deserto e a cidade existe agora em cima de uma colina estéril. O acampamento grego, em vez de conter móveis sofisticados, joias maravilhosas e figurinos brilhantes dos reis gregos, mais parece uma favela - desarrumado, sujo e os reis gregos parecem estar vestindo a mesma roupa desde o início da guerra há 10 anos atrás.

 

Você também descobre que uma zona de guerra não é o melhor lugar para passar férias. Você não pode ficar muito perto de muralhas de Tróia porque os troianos podem muito bem lançar pedras na sua cabeça, óleo fervendo ou trespassá-lo com uma flecha. No acampamento grego, existe apenas um boteco onde todo o exército grego se reúne no happy hour para discutir estratégia e disputar os despojos de guerra. Happy hour pode ficar bastante barulhento e ameaçador se os brutamentes desembanharem suas espadas.

 

Então você decide visitar o outro lado. Mas, apesar de suas imensas muralhas, há sinais claros de que tudo não vai bem. Nos bairros, tanto chiques como populares, muitas casas estão abandonadas, alvenaria ruindo e jardins mal cuidados. A maioria dos templos precisa de uma mão de tinta e as gloriosas estátuas de mármore aqui e alí faltam pedaços – narizes, braços e dedos. É isso aí. A guerra está sugando a cidade. Os troianos discutem e discutem como livrar-se dos gregos mas não conseguem chegar a um acordo. De volta ao lado grego, você testemunha a briga entre Aquiles e Agamenon e vê Aquiles sair enfurecido para sua tenda, jurando nunca mais lutar pelos gregos.

 

Lá está você e faltam ainda duas semanas para suas férias acabarem e você poder voltar à civilização.

Não há o que fazer a não ser seguir a rota turística e, quem sabe, escrever um livro – em dois volumes. Para lhe ajudar (ou não) aparece o poeta Homero, velho, cego e duro, e que nunca para de declamar os seus versos.  Os gregos acham-no um chato mas você sabe que ele será o poeta mais famoso em dez milênios.  Você conhece Hermes, o mensageiro dos Deuses, que está Cavalgando no Cavalo de Madeira – a queda de Tróia

 

Apesar de todos os acontecimento e atividades do fim de semana, Troianos e Gregors estão mais ou menos onde estavam quando você chegou. Os gregos em seu acampamento na planície, os Troianos atrás de suas imensas muralhas. Os gregos ainda estão discutindo possíveis estratégias. Agamenon quer continuar no “vamos nessa”, ou seja, esmagar e recortar, enquanto Ulisses diz que o tempo de batalhas terminou e outras formas devem ser encontradas para alcaçarem a vitória.

Você é azarado o suficiente para se envolver nos planos de Odisseus e ele lhe convence a voltar para Tróia para fazer um pouco de espionagem. Odisseus quer um perfil psicológico dos Troianos para avaliar a melhor forma de vencê-los. Chegando lá, você descobre um comitê secreto que tem seus próprios planos e estratégias para sobreviver. Os troianos, agora sem Heitor, seu esteio no passado, não concordam com coisa alguma e a estratégia resume-se em implorar aos deuses que mandem alguém, qualquer um que seja, para assumar a bagunça ao favor dos Troianos, é claro. E a ajuda chega na forma de Penthesileia, rainha das Amazonas, Eurypylus, o último descendente de Héracles, e Memnon, rei da Etiópia. No entanto, após mais batalhas, os gregos continuam em seu acampamento na planície e os troianos atrás de suas muralhas

Para fugir dos dois lados briguentos, na planície e na cidade, você sobe uma colina e encontra Virgílio, o grande poeta romano. Ele foi ordenado pelo imperador Augusto para compor um grande épico: a fundação de Roma pelo troiano Enéas na sua fuga da queda de Tróia. Virgilio odeia Augusto, o atual imperador Romano, e tem a esperança que Tróia, e não os gregos, foram vitoriosos. Neste caso, Enéas não teria viajado para Latium, Roma não teria existido e Virgilio poderia continuara a escrever poemas bucólicos e manuais agrícolas.

 

Você visita o Helesponto e sonha de tudo o que aconteceu lá ao longo dos séculos. . Desde a antiguidade até o presente, o Helesponto sempre foi um local popular para a invasão da Europa pela Asia e vice versa.

 

De volta ao acampamento grego, você descobre que finalmente, Agamenon está mais disposto a ouvir estratégias alternativas. Odisseus apresenta um plano en três partes, baseado na psicologia: induzir os troianos à (a) esperança, (b) alívio e (c) euforia.  Ele explica que isto será possível pela construção de um cavalo de madeira.

 

Por meio deste plano, os gregos conseguem entrar em Tróia - um inimigo enlouquecido com sede de sangue e saques. Você se agarra a Eneas que você sabe irá sobreviver.  No caminho, vocês encontrarão vários fantasmas e humanos e você deciderá que, no final das contas, os fantasmas são mais humanos do que os próprios humanos. Juntos, e vocês sobreviverão ao saque e, juntamente com vários outros troianos, conseguirão fugir da cidade atormentada, achando uma saída - e procurar se existir.

Você, por acaso, é um gato..

 

Autora:  Helle Rink

hellev@uol.com.br

 

Vendas: (em inglês)