Haiti - Missão de Paz ou Missão de Segurança

 

A chamada "MISSÃO de PAZ no HAITI", é na verdade uma MISSÃO de Segurança. Como toda missão desse tipo, as consequências, são muito similares e tem como denominador comum:

- ódio ao País que lidera a Missão;

- suicídio entre os militares dela participantes;

- elevado índice de drogados entre os que regressam a seus países de origem;

Enfim, os mesmos problemas encontrados nos veteranos de diferentes guerras.

Uma verdadeira MISSÃO DE PAZ NO HAITI" deveria começar pela fronteira com a Republica Dominicana, mediante um grande projeto de reflorestamento, granjas de criação de suínos nos moldes do que se faz no Brasil( Estados do Paraná e Santa Catarina) e alfabetização de crianças e adultos. Obviamente que programas de saúde, especialmente referidos a AIDS, seria de grande importância. Uma rede de esgotos e de água potável são outras das áreas prioritárias para esse belo e esquecido Pais, onde a corrupção dos políticos e dirigentes, esta cobrando o preço que se paga pela indiferença frente a estes problemas, especialmente em paises pequenos e de economia frágil e absolutamente dependente.

Ao iniciar-se a verdadeira MISSÃO DE PAZ", pela fronteira, um numeroso contingente de haitianos desempregados, que se encontram na Capital, certamente retornarão ao interior,

onde haverá maiores possibilidades de empregos..

Portanto, uma verdadeira "MISSÃO DE PAZ" no Haiti, deveria ser formada ,por um Batalhão de Engenharia do Exercito, engenheiros florestais, agrônomos e veterinários, engenheiros sanitários, pedagogos, formadores de agentes de saúde,etc.Este contingente seria complementar a "MISSÂO DE SEGURANÇA", da qual receberia proteção e apoio. Recursos financeiros certamente não faltariam, pois,muitas ONGS e governos, aportariam recursos para um projeto desta natureza e em menos de uma geração teríamos um novo HAITI.

Caso não sejam tomadas medidas, como as propostas anteriormente, a atual"MISSÃO DE PAZ NO HAITI", resultará num tremendo fracasso e outros suicídios, soldados que de lá retornarem, transformados em assassinos ou dependentes de drogas, serão notícias que a mídia nos dará certamente.

O que descrevo acima, não é e nem pretende ser um exercício de FUTUROLOGIA.É apenas o resultado de observações pessoais, feitas durante muitos anos, em muitos Paises, inclusive no Haiti.

Enquanto perdurarem a corrupção, em todos os níveis e o analfabetismo, como instrumento de dominação política, não haverá solução para mais de uma centena de paises em todo o mundo,entre eles obviamente os Paises africanos, o Haiti e o próprio Brasil.

 

M. N. Honigman