BOLETIM AAFIB 128 - ABRIL / MAIO / JUNHO 2019

Associação dos Antigos Funcionários Internacionais do Brasil                                                                      

(aafib.net)    Fundada em 1987       Afiliada à  FAFICS

Estamos vivenciando os 100 primeiros dias do novo governo e não temos nada a apontar de novidade para os assuntos de nosso interesse direto. A Reforma da Previdência, sem dúvida precisando de ajustes para alcançar a prometida igualdade de condições para todos, enfrenta resistências de todos os lados, ninguém quer perder vantagens históricas. A igualdade entre os sistemas privado (INSS) e o regime estatutário do serviço público está difícil de ser obtido e cada grupo social se agarra a seus privilégios. O regime de capitalização, malfadado no Chile, não encontra justificativa na cultura nacional e felizmente pode ser eliminado do projeto. Enfim, a Reforma ainda é uma incógnita. Os outros projetos de governo seguem a passos lentos, como o de combate à corrupção e à violência, a reforma fiscal e sobretudo a reforma política. Vamos ter de esperar, quem sabe, o próximo Boletim. 

NOVA REPRESENTANTE DO ESCRITÓRIO DO PNUD ASSUME POSTO EM ABRIL 

O Escritório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil anunciou que sua

nova representante-residente, a hondurenha Katyna Argueta, assumiu suas funções no 1o de abril.

Diplomata de carreira, Katyna ingressou no PNUD em 2003 como assessora da representação em

Honduras. Em seguida, assumiu o cargo de coordenadora de Recursos Humanos e, mais tarde, trabalhou 

como diretora adjunta de país no Panamá (2009-2012) e no Haiti (2013-2015). Desde 2016, atua como

diretora de país do PNUD no México.

 

REUNIÃO DO CONSELHO DA FAFICS SERÁ EM VIENA 

Tenho o prazer de anunciar que o Conselho da FAFICS terá lugar em Viena de segunda-feira 15 a quarta-feira, 17 de julho de 2019. Nossos colegas da ARICSA gentilmente ofereceram para sediar o evento no CIV (Centro Internacional de Viena). Mais detalhes serão fornecidos em breve. Nossos agradecimentos vão também par a colegas em Nairóbi e Paris pelas suas gentis ofertas para sediar o Conselho. Como habitual, o Conselho será precedido por uma reunião de trabalho no domingo em local a ser ainda decidido. O programa de trabalho deste ano é provável que seja um pouco mais leve do que o habitual, então nós devemos poder encerrá-lo no início da tarde de quarta-feira. Isso permitirá que os membros da delegação da FAFICS tomem voos para Nairóbi e lá cheguem em boa hora para começar a trabalhar nas várias importantes comissões e grupos de trabalho, dos quais FAFICS é membro no Conselho de Pensão. Estou ansioso para encontrá-los em Viena em bom número para que possamos coletiva e harmoniosamente contribuir para um Conselho bem sucedido.

 

Obrigado e cumprimentos.

 

Presidente Marco Breschi

FAFICS

OIT: 100 anos em um dia

A OIT é a mais antiga agência das Nações Unidas e a única tripartite, ou seja, que contempla

empregadores, trabalhadores e governo em seu Conselho de Administração. Foi criada em 1919

no âmbito do Tratado de Versalhes. Está comemorando 100 anos com muita festa, mesmo

tendo em conta a crise no mundo do  trabalho que desponta nos tempos atuais; Como parte

das comemorações, a OIT abraça o globo com um  tour  virtual.  O espetáculo em Salvador faz

parte do Tour Global da OIT, uma transmissão ao vivo, cobrindo 24 países em 24 horas, que

mostrará a diversidade do trabalho da Organização Internacional do Trabalho, a primeira

agência especializada das Nações Unidas, concebida para ser dentre todas, a de maior alcance.

O Tour Global será transmitido ao vivo no site ilo.org/100/tour.

 

Uma maratona de eventos irá circular pelo mundo durante 24 horas em comemoração ao 100º

aniversário da OIT. De Fiji à Filadélfia, vamos nos encontrar com dançarinos(as), músicos(as),

artistas de todos os naipes, enquanto trabalhadores, empregadores e chefes de estado se unem

para uma homenagem única à justiça social. Confira a lista de eventos no site ilo.org/100/tour e

registre-se para receber notificações no início de cada evento.

Daniela Mercury protagoniza a celebração dos 100 anos da OIT num Musical idealizado por ela como parte do Tour Global da OIT, transmitido ao vivo que terá coberto 24 eventos em 24 horas comemorando o centenário da organização. A cantora Daniela Mercury apresentou um musical com canções sobre o mundo do trabalho no Teatro Castro Alves, em Salvador. O espetáculo foi transmitido ao vivo no site da OIT (ilo.org/100/tour) e teve a participação especial do balé folclórico da Bahia, a  poeta Elisa Lucinda, a atriz Geovana Pires, e os grupos Banda Didá e Ilê Aiyê.

 

Daniela Mer cury - embaixadora do UNICEF e Campeã da Igualdade da ONU - dirige e protagoniza o espetáculo de maneira pro bono. O Teatro Castro Alves, cedido pelo Governo da Bahia, também foi palco de exposição do fotógrafo humanitário irlandês Jason Lowe sobre profissionalização e inclusão de jovens no marco da parceria OIT- Ministério Público do Trabalho e das atividades da Agenda Bahia de Trabalho Decente.

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 

 

Prezados Colegas,

Como parte das atividades da FAFICS para aumentar a conscientização entre os aposentados das Nações Unidas a respeito das principais metas da ONU, tenho o prazer de compartilhar com vocês a Declaração do Secretário Geral por ocasião do Dia Internacional da Mulher de 2019.

Permitam-me encorajá-los a divulgar esse documento em sua comunidade (caso ainda não o tenham feito), como parte de um esforço mais abrangente de apoio aos principais temas das Nações Unidas na área de direitos humanos, inclusão e igualdade de gênero.

 

Acreditando que, juntos, poderemos nos engajar cada vez mais nessas atividades, permaneço no aguardo de suas reações positivas.

 

Atenciosamente,

 

Marco Breschi,

Presidente da FAFICS

DECLARAÇÃO DO SECRETÁRIO GERAL POR OCASIÃO DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2019

08 de março de 2019 (Extratos)

Minhas     saudações     calorosas     por     ocasião     do     Dia      Internacional      da      Mulher. Este ano, a data coincide com o momento em que nosso mundo se depara com inúmeros desafios globais, que vão de mudança climática, desigualdade, conflito armado, emergências humanitárias até o enfraquecimento do compromisso com o multilateralismo. A igualdade de gênero e os direitos das mulheres são fundamentais para enfrentar cada um desses desafios.

 

Somente conseguiremos restabelecer confiança e reconstruir solidariedade global se atacarmos injustiças históricas e promovermos os direitos e a dignidade de todos. Só atingiremos desenvolvimento sustentável e paz se lançarmos mão de todo nosso potencial e capacidade. Ao longo das últimas décadas, notáveis progressos foram realizados em relação aos direitos e à liderança das mulheres. Contudo, tais ganhos ainda são inconsistentes, e têm suscitado reações negativas por parte de um patriarcado arraigado. A igualdade de gênero é basicamente uma questão de poder.

 

Ainda vivemos num mundo dominado pelo masculino. Nossa cultura masculina tem ignorado, silenciado e oprimido as mulheres através dos séculos – até mesmo milênios. A representação política das mulheres nos parlamentos em todo o mundo é menor do que 25 por cento. Quando muito, chega a 9 por cento. A despeito do progresso e do sucesso das mulheres, suas vozes ainda são rotineiramente subestimadas, e suas opiniões ignoradas. Todos nós estamos pagando o preço pela desigualdade e pela opressão.

 

As mulheres ainda enfrentam grandes obstáculos para atingir e exercitar o poder. Segundo o Banco Mundial, apenas seis economias oferecem aos homens e às mulheres direitos legais iguais em áreas relativas ao trabalho. No ritmo atual, levaremos dois séculos para fechar a lacuna do empoderamento econômico da mulher, lacuna essa que está aumentando a cada dia, e não diminuindo.

Em toda parte, observamos duas tendências paralelas. Ao mesmo tempo em que movimentos globais e uma maior conscientização contribuem para um maior reconhecimento da necessidade da igualdade de gênero, ganha corpo um vigoroso retrocesso nos direitos das mulheres. Isso ocorre de várias formas: aumento da violência contra os defensores dos direitos humanos das mulheres e contra candidatas a cargos políticos, ofensas online e assédio às mulheres que se manifestam em público. Tais ataques tentam reforçar os papéis tradicionais das mulheres na sociedade e punir quem se insurja contra tais papéis. Agendas nacionalistas, populistas e austeras também contribuem para a desigualdade ao estabelecer medidas que sufocam os direitos das mulheres e eliminam serviços sociais.

 

O tema deste ano do Dia Internacional das Mulheres - “Pensemos em Igualdade, Construção das Mudanças com Inteligência e Inovação” – aborda sistemas e infraestruturas construídos de acordo com uma cultura masculina, e celebra a criatividade de mulheres inventoras e inovadoras através da história. Precisamos encontrar formas  de  repensar  e  reconstruir  nosso  mundo  para  que  ele  funcione   para   todos.   Investir nas mulheres e respeitar seus direitos humanos é a forma mais eficiente de promover comunidades, empresas e países e  de cumprir a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável.

 

O próximo ano marca o 25o aniversário da Plataforma de Ação de Beijing e os 20 anos de adoção da histórica resolução 1325 do Conselho de Segurança sobre Mulheres, Paz e Segurança. Ne ste Dia Internacional da Mulher, faço uma convocação em prol de uma nova visão da igualdade e de oportunidades para que metade da população do mundo possa contribuir com todo o progresso do mundo. Obrigado.

DECLARAÇÃO DO SECRETÁRIO GERAL POR OCASIÃO DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2019

08 de março de 2019 (Extratos)

Minhas     saudações     calorosas     por     ocasião     do     Dia      Internacional      da      Mulher. Este ano, a data coincide com o momento em que nosso mundo se depara com inúmeros desafios globais, que vão de mudança climática, desigualdade, conflito armado, emergências humanitárias até o enfraquecimento do compromisso com o multilateralismo. A igualdade de gênero e os direitos das mulheres são fundamentais para enfrentar cada um desses desafios.

 

Somente conseguiremos restabelecer confiança e reconstruir solidariedade global se atacarmos injustiças históricas e promovermos os direitos e a dignidade de todos. Só atingiremos desenvolvimento sustentável e paz se lançarmos mão de todo nosso potencial e capacidade. Ao longo das últimas décadas, notáveis progressos foram realizados em relação aos direitos e à liderança das mulheres. Contudo, tais ganhos ainda são inconsistentes, e têm suscitado reações negativas por parte de um patriarcado arraigado. A igualdade de gênero é basicamente uma questão de poder.

 

Ainda vivemos num mundo dominado pelo masculino. Nossa cultura masculina tem ignorado, silenciado e oprimido as mulheres através dos séculos – até mesmo milênios. A representação política das mulheres nos parlamentos em todo o mundo é menor do que 25 por cento. Quando muito, chega a 9 por cento. A despeito do progresso e do sucesso das mulheres, suas vozes ainda são rotineiramente subestimadas, e suas opiniões ignoradas. Todos nós estamos pagando o preço pela desigualdade e pela opressão.

 

As mulheres ainda enfrentam grandes obstáculos para atingir e exercitar o poder. Segundo o Banco Mundial, apenas seis economias oferecem aos homens e às mulheres direitos legais iguais em áreas relativas ao trabalho. No ritmo atual, levaremos dois séculos para fechar a lacuna do empoderamento econômico da mulher, lacuna essa que está aumentando a cada dia, e não diminuindo.

Em toda parte, observamos duas tendências paralelas. Ao mesmo tempo em que movimentos globais e uma maior conscientização contribuem para um maior reconhecimento da necessidade da igualdade de gênero, ganha corpo um vigoroso retrocesso nos direitos das mulheres. Isso ocorre de várias formas: aumento da violência contra os defensores dos direitos humanos das mulheres e contra candidatas a cargos políticos, ofensas online e assédio às mulheres que se manifestam em público. Tais ataques tentam reforçar os papéis tradicionais das mulheres na sociedade e punir quem se insurja contra tais papéis. Agendas nacionalistas, populistas e austeras também contribuem para a desigualdade ao estabelecer medidas que sufocam os direitos das mulheres e eliminam serviços sociais.

 

O tema deste ano do Dia Internacional das Mulheres - “Pensemos em Igualdade, Construção das Mudanças com Inteligência e Inovação” – aborda sistemas e infraestruturas construídos de acordo com uma cultura masculina, e celebra a criatividade de mulheres inventoras e inovadoras através da história. Precisamos encontrar formas  de  repensar  e  reconstruir  nosso  mundo  para  que  ele  funcione   para   todos.   Investir nas mulheres e respeitar seus direitos humanos é a forma mais eficiente de promover comunidades, empresas e países e  de cumprir a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável.

 

O próximo ano marca o 25o aniversário da Plataforma de Ação de Beijing e os 20 anos de adoção da histórica resolução 1325 do Conselho de Segurança sobre Mulheres, Paz e Segurança. Ne ste Dia Internacional da Mulher, faço uma convocação em prol de uma nova visão da igualdade e de oportunidades para que metade da população do mundo possa contribuir com todo o progresso do mundo. Obrigado.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) diz que faltam médicos e recursos para garantir saúde universal nas Américas

 

Por ocasião do Dia Mundial da Saúde, lembrado em 7 de abril, a (OPAS) aponta que um terço da população das Américas não tem acesso a cuidados de saúde. Na maioria dos países da região, os níveis de gastos diretos dos indivíduos com saúde representam mais de 25% das despesas domésticas. A OPAS estima ainda que, atualmente, são necessários 800 mil profissionais a mais para atender às necessidades dos sistemas de saúde das Américas. Agência da ONU pede mais investimentos públicos no atendimento.

 

Em 2019, a comunidade internacional observa a data com o tema Saúde universal: para todos e todas, em todos os lugares. As atividades de conscientização para o dia focam na atenção primária    à    saúde    (APS)    e    em     questões     de     equidade     e     solidariedade. De acordo com a OPAS, os países das Américas fizeram progressos significativos de saúde pública ao longo do século passado — nos últimos 45 anos, a expectativa de vida média na região aumentou 16 anos e a mortalidade infantil registrou queda. Mas segundo a agência da ONU, essas conquistas não foram equitativas, não incluíram todos os grupos populacionais.

 

Para superar desigualdades, as Américas precisarão enfrentar gargalos como a falta de investimento em saúde e a carência de profissionais do setor. Na maioria dos países da região, os gastos individuais diretos com saúde colocam as pessoas em risco de enfrentar despesas catastróficas. A OPAS estima ainda que, atualmente, são necessários 800 mil profissionais a mais para atender às necessidades dos sistemas de saúde das Américas. Além de bem treinada, essa força de trabalho precisa estar bem distribuída para alcançar todos os grupos populacionais dentro dos países.

 

Para marcar o Dia Mundial da Saúde, a OPAS convida países a criar correntes de solidariedade humana e compartilhar fotos de suas iniciativas de saúde pública nas redes sociais — com as hashtags #SaúdeParaTodos, #HealthForAll e/ou #SaludParaTodos

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) diz que faltam médicos e recursos para garantir saúde universal nas Américas

 

Por ocasião do Dia Mundial da Saúde, lembrado em 7 de abril, a (OPAS) aponta que um terço da população das Américas não tem acesso a cuidados de saúde. Na maioria dos países da região, os níveis de gastos diretos dos indivíduos com saúde representam mais de 25% das despesas domésticas. A OPAS estima ainda que, atualmente, são necessários 800 mil profissionais a mais para atender às necessidades dos sistemas de saúde das Américas. Agência da ONU pede mais investimentos públicos no atendimento.

 

Em 2019, a comunidade internacional observa a data com o tema Saúde universal: para todos e todas, em todos os lugares. As atividades de conscientização para o dia focam na atenção primária    à    saúde    (APS)    e    em     questões     de     equidade     e     solidariedade. De acordo com a OPAS, os países das Américas fizeram progressos significativos de saúde pública ao longo do século passado — nos últimos 45 anos, a expectativa de vida média na região aumentou 16 anos e a mortalidade infantil registrou queda. Mas segundo a agência da ONU, essas conquistas não foram equitativas, não incluíram todos os grupos populacionais.

 

Para superar desigualdades, as Américas precisarão enfrentar gargalos como a falta de investimento em saúde e a carência de profissionais do setor. Na maioria dos países da região, os gastos individuais diretos com saúde colocam as pessoas em risco de enfrentar despesas catastróficas. A OPAS estima ainda que, atualmente, são necessários 800 mil profissionais a mais para atender às necessidades dos sistemas de saúde das Américas. Além de bem treinada, essa força de trabalho precisa estar bem distribuída para alcançar todos os grupos populacionais dentro dos países.

 

Para marcar o Dia Mundial da Saúde, a OPAS convida países a criar correntes de solidariedade humana e compartilhar fotos de suas iniciativas de saúde pública nas redes sociais — com as hashtags #SaúdeParaTodos, #HealthForAll e/ou #SaludParaTodos

AAFIB SEGUE BUSCANDO COMPLEMENTO PARA PLANOS DE SAÚDE

 

Tivemos notícia de um plano de saúde para Seniors (acima de 59 anos de idade) que é válido somente para o DF e pedimos à Cintia, como diretora do Núcleo, para entrar em contato com a empresa e ter mais detalhes. Estamos nesta fase atualmente e já dá para perceber que a rede de serviços e hospitais é bastante limitada.

 

A vantagem é que o preço é um 30-40 % menor que os planos oferecidos pela SUL AMERICA, BRADESCO, UNIMED entre outras, e isto pode ser de interesse para colegas que recebem uma pensão ONU abaixo dos US$ 1500-2000 mensais. Como já informado anteriormente a estratégia com CIGNA é de negociar um plano adicional ao CIGNA-MIP para os aposentados e o pessoal da ativa através da Associação do Pessoal do PNUD, ONU Mulher, UNFPA, UNODC, UNOPS, + a UNICEF (que tem a sua própria associação).

 

Giovanni Quaglia, presidente da AAFIB, mantém contatos diretos com a Associação do PNUD, que pediu tempo porque em abril terão a renovação da Diretoria e uma nova Representante do PNUD e será com esta nova situação que teremos de negociar. Estimamos que CIGNA poderá interessar-se pela proposta já que soma ativos e aposentados.

AAFIB SEGUE BUSCANDO COMPLEMENTO PARA PLANOS DE SAÚDE

 

Tivemos notícia de um plano de saúde para Seniors (acima de 59 anos de idade) que é válido somente para o DF e pedimos à Cintia, como diretora do Núcleo, para entrar em contato com a empresa e ter mais detalhes. Estamos nesta fase atualmente e já dá para perceber que a rede de serviços e hospitais é bastante limitada.

 

A vantagem é que o preço é um 30-40 % menor que os planos oferecidos pela SUL AMERICA, BRADESCO, UNIMED entre outras, e isto pode ser de interesse para colegas que recebem uma pensão ONU abaixo dos US$ 1500-2000 mensais. Como já informado anteriormente a estratégia com CIGNA é de negociar um plano adicional ao CIGNA-MIP para os aposentados e o pessoal da ativa através da Associação do Pessoal do PNUD, ONU Mulher, UNFPA, UNODC, UNOPS, + a UNICEF (que tem a sua própria associação).

 

Giovanni Quaglia, presidente da AAFIB, mantém contatos diretos com a Associação do PNUD, que pediu tempo porque em abril terão a renovação da Diretoria e uma nova Representante do PNUD e será com esta nova situação que teremos de negociar. Estimamos que CIGNA poderá interessar-se pela proposta já que soma ativos e aposentados.

Relatório da Reunião de Diretoria da FAFICS \UNOG – Genebra 28 a 30 de janeiro de 2019

O presidente informou aos membros do Bureau sobre suas ações para defender e promover a posição da FAFICS como decidido no Conselho 47 da FAFICS, no Conselho de Pensão (PB), no ACABQ e nas reuniões da 5ª. Comissão. O Bureau agradeceu ao presidente e à delegação do Conselho por suas ações. Eles também agradeceram a Linda Saputelli e Warren Sach pelo trabalho intenso de ajuda ao presidente para contrariar as conclusões prejudiciais que constam do relatório à AGNU.

Relatório da Reunião de Diretoria da FAFICS \UNOG – Genebra 28 a 30 de janeiro de 2019

O presidente informou aos membros do Bureau sobre suas ações para defender e promover a posição da FAFICS como decidido no Conselho 47 da FAFICS, no Conselho de Pensão (PB), no ACABQ e nas reuniões da 5ª. Comissão. O Bureau agradeceu ao presidente e à delegação do Conselho por suas ações. Eles também agradeceram a Linda Saputelli e Warren Sach pelo trabalho intenso de ajuda ao presidente para contrariar as conclusões prejudiciais que constam do relatório à AGNU.

Follow-up do Conselho de Pensão, recomendações e resolução AGNU

O Bureau discutiu o documento de Gerhard Schramek intitulado 'Participação da FAFICS em grupos de trabalho do Conselho Pensão' que demonstrou que a FAFICS historicamente tinha sido um membro de pleno direito de todos os grupos de trabalho do Pension Board. O documento tinha sido preparado para eventualidade de qualquer possível tentativa de excluir FAFICS do grupo de trabalho sobre governança. Referindo-se à nota apresentada por representantes de FAFICS na última reunião do Conselho de Pensão 'Representação dos aposentados no Conselho de Pensão', o Bureau apoiou o conteúdo e não prevê qualquer mudança no processo de seleção de seus representantes.

O Bureau reconheceu que a FAFICS estava enfrentando um problema de percepção. Algum cuidado deveria ser exercitado com relação à abordagem do depoimento da AGNU (A/RES/73/274, parágrafo 14. B) que se refere a eleições diretas. Por um lado, o presidente precisava selecionar pessoas experientes e conhecedoras, que poderiam lhe ajudar de forma coesa. Por outro lado, o Bureau reconheceu que algumas associações- membros desejaram modificar o processo de seleção e assegurar uma maior representação interna. Era necessário melhorar a comunicação com as associações sobre este assunto. Foi decidido torná-la mais transparente durante o próximo Conselho.

Follow-up do Conselho de Pensão, recomendações e resolução AGNU

O Bureau discutiu o documento de Gerhard Schramek intitulado 'Participação da FAFICS em grupos de trabalho do Conselho Pensão' que demonstrou que a FAFICS historicamente tinha sido um membro de pleno direito de todos os grupos de trabalho do Pension Board. O documento tinha sido preparado para eventualidade de qualquer possível tentativa de excluir FAFICS do grupo de trabalho sobre governança. Referindo-se à nota apresentada por representantes de FAFICS na última reunião do Conselho de Pensão 'Representação dos aposentados no Conselho de Pensão', o Bureau apoiou o conteúdo e não prevê qualquer mudança no processo de seleção de seus representantes.

O Bureau reconheceu que a FAFICS estava enfrentando um problema de percepção. Algum cuidado deveria ser exercitado com relação à abordagem do depoimento da AGNU (A/RES/73/274, parágrafo 14. B) que se refere a eleições diretas. Por um lado, o presidente precisava selecionar pessoas experientes e conhecedoras, que poderiam lhe ajudar de forma coesa. Por outro lado, o Bureau reconheceu que algumas associações- membros desejaram modificar o processo de seleção e assegurar uma maior representação interna. Era necessário melhorar a comunicação com as associações sobre este assunto. Foi decidido torná-la mais transparente durante o próximo Conselho.

Atualização sobre o grupo de trabalho sobre ASHI

Georges Kutukdjian lembrou ao Bureau da história das recomendações da Rede HLCM (grupo de trabalho sobre ASHI). As Federações (CCISUA, FICSA e FAFICS) não concordavam com todas as recomendações. Por exemplo, o princípio de que, se um funcionário tinha menos que 25 anos de serviço, ele/ela iria contribuir mais (Esta recomendação aplicável apenas aos novos funcionários). Além disso, a questão da contenção de custos permanece na mesa (o que implicaria ser próximo a zero as chances de melhorar benefícios, ou seja, limites máximos do MIP, conforme proposto pela AFICS Brasil).. Este item foi discutido em março  pela AGNU e o Bureau solicitou ao Presidente para representar FAFICS no que importasse e foi informado que já tinha solicitado ao 5º. Comité ser convidado .

 

O Bureau decidiu que, durante o 48º. Conselho a seleção/eleição de 5 vice- presidentes deverá ter em conta a experiência de cada candidato para as áreas identificadas.

O Bureau sublinhou a necessidade de renovar o website e fazer seu conteúdo mais atualizado e visível. Foi decidido que o Secretário irá trabalhar em estreita colaboração com o Presidente e o especialista Doug Helland para atualizar o site. Jerry Barton irá ajudar e aconselhar. A ideia de dedicar alguns  recursos financeiros e/ou procurar a ajuda de um voluntário para ajudar a renovação da página foi recomendada.

A 66ª Sessão do Conselho de Pensão terá lugar em Nairóbi de 22 a 26 de julho, a menos que ocorra necessidade devido a preocupações com segurança. O Bureau decidiu organizar o Conselho da FAFICS para ter lugar de 15 a 18 de julho. Esta data foi decidida para evitar a reunião no final de semana anterior, que teria de suportar custos adicionais.

Programa da próxima reunião do Conselho da FAFICS:

 

Adoption of the Agenda: President's report; Follow-up on Pension Board (PB) recommendations and UNGA resolution; Procedure  of FAFICS  nominations  to   the  Pension Board; Follow-up on the working  group  on  FAFICS  Rules  of  Procedure; Update on HLCM Network working group  on  ASHI;  Review  of  Vice-President portfolios;  Membership;  Treasurer's  report;  Communication  and   WEB   site   (update; Date and place of the 2019 Council; Other matters

ACNUR firma parceria técnica com ‘Órfãos da Terra’, nova novela das seis da Rede Globo

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) selou uma parceria inédita com a próxima novela das

seis da Globo, “Órfãos da Terra”, que tem estreia prevista para 2 de abril. A obra, que conta uma

história de amor, superação e empatia, traz como pano de fundo o universo de refugiados de

diversos lugares do mundo, vítimas de guerras, conflitos e perseguições – e também pessoas que

deixaram seus países por razões econômicas ou devido a desastres naturais.

De Carlos Tourinho (cineasta)

Não sei quem inventou essa bagaça de “melhor idade” Melhor idade uma pinóia!

Acho o papel, e perco a caneta.

Quando acho a caneta, já não sei mais onde coloquei o papel. Quando consigo unir os dois, cadê “ozóculo”?

E quando acho os três já não sei mais o que ia escrever... Sei não, viu.

 

REUNIÃO REGIONAL DAS AFICS DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

Contribuição da AAFIB sobre pontos da Agenda da Reunião de 28 de março de 2019

  1. Estado do relacionamento entre o PNUD e aposentados do Sistema das Nações Unidas em cada país. Relacionamento com a AAFIB.

  2. Interação entre o PNUD e AAFIB: PNUD está providenciando espaço para 4 encontros anuais da AAFIB em Brasília e o suporte tecnico para o Encontro Anual Regional Virtual das AFICS;

  3. PNUD está realizando o pagamento dos reembolsos dos reembolsos médicos de CIGNA aos retirados que tiveram contratos com o PNUD quando trabalhavam; Retirados da AAFIB poderão enviar em conjunto o "certificado de titularidade -CE" para o Fundo de Pensão em junho de 2019 através do malote do PNUD (serviço a ser pago);

  4. Oficiais de recursos humanos do PNUD estão em contato direto com AAFIB e estão recomendando aos aposentados que ainda não são membros a participar da AAFIB. Um reconhecimento de que somos bem informados em questões de aposentados e oferecemos um serviço exclusivo aos nossos associados;

  5. Relação com associações de funcionários do PNUD, UNFPA, ITU, IMP, UNAIDS, o UNODC, UNDS. AAFIB organizou em setembro de 2018 um workshop de dois dias de treinamento para os funcionários ativos e aposentados em estreita colaboração com as associações de funcionários que contribuíram financeiramente para a oficina; O treinamento enfocou o uso da ferramenta “Pension Fund Members Selfservice (MSS)" e o pedido online utilizando a plataforma CIGNA, que contou  com 40 participantes;

  6. OPAS /OMS ofereceu espaço e logística de suporte para um treinamento muito útil dirigido por Sumaya García, voluntária da AAFIB e gerenciadora do nosso site. 3-AAFIB preparou sua proposta em julho de 2018 para um complemento  de seguro de saúde (ASHI) em relação ao campo do pessoal recrutado localmente com cobertura do Plano de Seguro Médico (MIP), em consulta com a associação de funcionários do PNUD com sede em Brasília e as 14 AFICS da Região da América Latina e do Caribe. Devido a alterações na representação do PNUD no país e do presidente da Associação de Funcionários em abril-maio de 2019, a associação de funcionários com sede em Brasília, solicitou adiar a discussão sobre MIP para uma fase posterior. Melhorias no MIP exigem a mobilização do pessoal ativo desde que eles serão aposentados num futuro próximo.

  7. O pessoal principalmente não está consciente das implicações de um MIP limitado a seis vezes a referência salarial, especialmente para os aposentados, que chegam a uma certa idade com condições de saúde que exigem a intervenção hospitalar. Como discutida e acordada em Roma durante a reunião do Conselho de FAFICS, em julho de 2018, a prioridade de aposentados terá o foco na melhoria das atenções em casos de "hardship" (estratégia de curto prazo) uma vez que o ASHI sofre um déficit em nível global.

 

Para as associações de funcionários da América Latina e Caribe e outras regiões, será preciso mobilizar seus membros para a organização de uma mudança na política (estratégia de médio e longo prazo) para aumentar as contribuições relativas à saúde do pessoal em atividade e organizações que usam o MIP. Isto é necessário para ter maior cobertura durante o período ativo e especialmente durante a retirada quando a pensão é menor do que o recebido durante o período ativo e os custos de cobertura médica aumentam com a idade. As melhores práticas no Sistema das Nações Unidas e as experiências disponíveis vão ajudar a seguir em frente. Na estratégia de médio e longo prazo, o papel de FAFICS e AFICS será de sensibilização e apoio. Brasilia, 18 de março de 2019

 

O que querem os ‘antiglobalistas’

 

Por Demétrio Magnoli, no Globo de 14\01\19

 

A ordem do pós-guerra surgiu de duas fontes paralelas. De um lado, a ruína da ordem estatal anterior, devastada pela fogueira do nazifascismo. De outro, o avanço do sistema soviético sobre o leste da Europa. Do Plano Marshall em diante, ergueu- se uma nova ordem alicerçada na aliança transatlântica entre EUA e Europa Ocidental, que se estruturou em torno de instituições multilaterais de segurança (ONU) e de coordenação econômica (FMI, Banco Mundial). O “globalismo”,  no termo pejorativo cunhado pelos neonacionalistas, preveniu a restauração do fascismo e derrotou o totalitarismo comunista. A paisagem contra a qual a nova ordem se insurge nasceu de um duplo “não”: a Hitler e a Stalin. A chamada “ordem liberal” é uma tela formada por camadas de pintura superpostas, produzidas tanto pelo liberalismo progressista como pela socialdemocracia. Nela, estão inscritas as regras da economia de mercado, mas também os valores das liberdades públicas e dos direitos sociais. De Trump a Bolsonaro, passando pelo húngaro Orbán e pelo italiano Salvini, o atual movimento neonacionalista é uma reação sombria ao patrimônio de liberdades e direitos legado pelo pós-guerra.

 

As Reuniões do Núcleo de Brasília\DF em 2019

 

NÚCLEO AAFIB\BRASÍLIA SE REUNIU NA CASA DA ONU

 

A reunião, realizada no dia 13 de março, foi presidida por Giovanni Quaglia, Presidente da AAFIB, e coordenada por Cintia Freitas, Diretora do Núcleo de Brasília, que também tomou as notas para elaboração da ata.

Foram apresentados e saudados os novos associados: Maria Angelica Gomes - OPAS/OMS (presente na reunião); Rita Gomes da Costa – PNUD; Sandra Faria – UNODC; Sylvana Brandão –PNUD;

Na última reunião de 2018 realizada em 28/11/18, acordou-se que alguns colegas colaborariam na preparação de um mapeamento dos temas prioritários do grupo, com base nas atas e outros registros. Identificariam os temas de interesse e as principais recomendações extraídas de nossas atividades e discussões nos últimos três anos. O propósito foi o de colaborar para que o grupo elegesse prioridades para 2019.

Dessa forma, os colegas Miguel Genovese, Cristina Montenegro e

Cíntia Freitas levantaram os pontos relevantes de 2016, 2017 e 2018 respectivamente, que foram trazidos à discussão.

Com base nesse levantamento, e após discussão do grupo, concluiu-se que há 2 naturezas de temas de interesse do grupo:

  1. Questões de caráter mais contínuo e com impacto direto na vida dos associados tais como questões de seguro saúde acompanhamento da gestão do Fundo de Pensão e outros, e

  2. Conteúdos de caráter temático  da atualidade.

  3. Os temas associados à primeira natureza são aqueles de caráter mais contínuo e presentes nas agendas das reuniões. São questões ligadas à:

Gestão do Fundo de Pensão (UNJSPF); Alternativas de plano de saúde complementar;

Treinamento no uso de recursos tecnológicos e aplicativos; Envio anual dos Certificates of Entitlement assinados; Incentivo ao preenchimento do Kit "Survival Spouses" (ver email do GQ enviado aos associados em 15 de set de 2017, com título "Preparação de uma Pasta para os Beneficiários do UNJSPF"). Maria Helena Diogo está preparando o seu KIT e irá compartilhar conosco; Busca ativa de novos associados; Criação de parcerias; Atualização constante de dados dos associados junto ao roaster da AAFIB.

Outro tema de interesse identificado dentro desta área foi o de "Inventário, herança e sucessão". Esta sugestão já havia sido apresentada na reunião de 28/11/18, por Ivo Stephen, que se ofereceu para intermediar entendimento com especialista no tema e a convidá-lo. A proposta foi bem acolhida pelo grupo. Conforme informou Ivo Stephen (em 09/04/19) a apresentação já está confirmada para ocorrer na próxima reunião de 05/06/19. O convidado Adv. Alcino Guedes fará uma apresentação de 20min seguida de debate com o grupo. Sugeriu-se que nessa oportunidade os associados pudessem convidar seus maridos/esposas. Apenas observou-se que, neste caso, seriam necessárias confirmações de presença antecipadas de forma a garantir acesso e assentos suficientes na Sala Carlos Costa.

A segunda natureza de interesse do grupo está ligada a área de conteúdos temáticos da atualidade, com conferências de palestrantes do próprio grupo ou de palestrantes convidados, conforme já vem sendo praticado. O ideal seria que houvesse uma conferência temática em cada reunião. Em todos os casos, e sempre que houver interesse, se poderia convocar uma reunião ad hoc, fora do calendário das 4 reuniões anuais pré-agendadas.

Milton T. de Mello ressaltou a importância da interação do grupo AAFIB - que se constitui de especialistas em múltiplas áreas - com outras esferas, academias e fóruns de discussão do Brasil gerando benefícios a ambas as partes.

Ademais, foram pautadas pelo grupo propostas de conferencias temáticas, destacando-se:

 

Temas e sugestões de Palestrantes

 

Conjuntura brasileira, papel do Brasil na Cooperação Internacional

05/06/19 - 4ªf 10h30 às 13h

Contribuições: Maria Angélica Gomes sugeriu o Gen. Carlos Alberto dos  Santos Cruz e entrará em contato com ele para verificar disponibilidade para a próxima reunião. O Gen. Santos Cruz foi Secretário Nacional de Segurança Pública e comandante das forças da ONU no Haiti e no Congo. É o atual Ministro  da  Secretaria de Governo.

Outro tema e palestra alternativa seria O Papel da ONU no Mundo e no Brasil. Sugeriu-se convite a Rubens Ricúpero, que tem importante livro publicado, é membro da AAFIB de SP e costuma vir a Brasília.

Refugiados e Imigração, incluindo impactos da saída do Brasil do Acordo de Imigração.

18/09/19

4ªf - 10h30 às 13h

Contribuições: Graça Campos sugeriu a palestra da Ir. Rosita Milesi, do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH) que trabalha em Roraima,  com acolhimento e políticas públicas em parceria com MJ e ACNUR.

 

Giovanni Quaglia sugeriu Luiz F. Godinho do ACNUR para fazer uma apresentação.

Nosso colega Ralph Hakkert, que é demógrafo, sugeriu ampliar o tema para a questão da migração.

 

Direitos Humanos

27/11/19

4ªf - 10h30 às 13h

Contribuições: Junia Puglia sugeriu uma palestra da Comissao ARNS, por Paulo Sergio Pinheiro

 

2.Questões associadas a seguro/plano complementar de saúde

Cintia Freitas reportou aos participantes sobre reunia o AD HOC realizada em 7/2/18, que teve por objetivo coletar informaço es sobre 2 planos de sau de, SimSenior e PlanSaude, que foram apresentados a um petit comitê de associados volunta rios naquela oportunidade. Foram eles: Cintia Freitas, Maria Helena Diogo, Maria Dulce Almeida, Cristina Montenegro, Junia Puglia, Carlos Castro e  Valdeci  A.  Xavier.  O  relatório dessa reunião foi enviado aos associados em 20/02/19, por email, intitulado "AAFIB - Ata da Reunia o sobre Planos de Sau  de realizada em 7/2/18 (com anexos)".

Os dois planos cumprem com a proposta de dar cobertura individual de sau de a maiores de 59 anos, o que nenhuma seguradora ou plano faz. Seus preços sa o tambe m abaixo dos praticados por planos de sau de que conhecemos. Ambos te m rede limitada, em especial do Plano SimSenior que na o possui nenhuma cobertura fora do DF. Durante a reunia o foram distribuí dos folders desses 2 planos. O Sr. Rafael Silva Ferreira, cel. 98651-8557 se colocou a disposição para atender individualmente os colegas interessados, ou em pequenos grupos, como fizemos no dia 7/2/19.

3. Envio conjunto dos Certificates of Entitlement (CE) para NY em Junho, para aqueles que optarem por esta modalidade.

 

Anunciamos que este ano enviaremos - no dia seguinte à reunião de 5/6/19 - um malote conjunto com os Certificates of Entitlement dos Associados da AAFIB ao UNJSPF. Aqueles que quiserem aderir a esta modalidade de envio poderão trazê-lo para a reunião de 5/6/19.

 

4.Outros temas

Foi avaliada pelo grupo, de forma muito positiva a parceria de 2018 entre AAFIB, PNUD e OPAS que culminou na realização de treinamento para associados em Brasília, no uso do Member Self-Service (MSS), do sistema de prestação de contas dos usuários do CIGNA; e do uso do Staff Health Insurance para o pessoal da OPAS- OMS. AAFIB está atuando para ampliar o treinamento - para Rio e São Paulo - no MSS e prestação de contas online de despesas médicas.

Nosso colega Rosan Maciel compartilhou a experiência positiva que teve na participação da 45° United Nations Inter-Agency Games e que participará da próxima atividade "The 46th Inter-Agency Games" que será realizada em Lisboa, Portugal de 30/4 a 4/5/19.

 

Intervenção de Giovanni Quaglia, presidente da AAFIB:

  • Reforçou solicitação de contribuições do grupo ao conteúdo do Boletim da AAFIB;

  • Identificação de voluntários para participar de reuniões com a Associação do Pessoal do PNUD, UNFPA, ONU Mulheres, UNOPS UNODC e UNICEF para melhorar o MIP;

  • Anunciou e convidou interessados para a Reunião Virtual das 14 Associações de LAC no dia 28/3/19.

  • Anunciou que está aberto a interessados na participação, em grupo, para gerar energia elétrica com painéis solares instalados no telhado das residências entre junho e setembro de 2019 (contatar J. Zavatierro e G. Quaglia)

  • Sobre o pagamento de anuidade AAFIB informou que aqueles que ainda não contribuíram poderão fazê-lo por meio de transferência bancária (vide email de 04/03/19 de cintiabvfreitas@gmail.com)

  • Foram identificados durante a reunião colegas voluntários que poderão atuar como FOCAL POINTS em temas relevantes, auxiliando outros colegas sempre que necessitarem, conforme abaixo indicado:

Tema: Problemas com a prestação de contas online ou dificuldades para receber reembolsos do CIGNA: Junia Pugna; Moira Lawrence e Cintia Freitas. Tema: Caso de falecimento de associado, situação de “Survival Spouses”: Giovanni Quaglia e Renée Vossenar

Participantes (Total 21): Giovanni Quaglia, Cintia Freitas, Rene  Vossenar,  Junia  Puglia, Juan Zavattiero, Ralph Hakkert, Cristina  Montenegro,  Luiz  Mauro  Donato, Rosan Maciel, Milton Thiago de Mello, Tania Santos Dias, Moira A.H. Lawrence, Tereza Chaves Terra, Eliana M. Martins Ferreira, Maria Helena Diogo, Maria Graça Campos, Maria Angelica Gomes, Marcia Maria Prates, Maria Dulce  Almeida,  Lilia  Ma  Chuff  Souto, Julio Manuel Soares Jimenez.

Informalidade laboral com a nova tecnologia \CEPAL

 

Um Seminário Internacional sobre Novas e Antigas Modalidades de Informalidade Laboral e Emprego Precário foi inaugurado na quarta-feira, 3 de abril por Mario Cimoli, secretário executivo adjunto da CEPAL e Manfred Haebig, representante da Agência de Cooperação Alemã \GIZ e contou com a presença de especialistas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), bem como acadêmicos e representantes de entidades públicas de vários países da América Latina e do Caribe.

 

Na América Latina e no Caribe a informalidade está intimamente ligada à estrutura produtiva, onde uma alta proporção da força de trabalho dedica-se a setores de baixa produtividade, caracterizadas por falta de regulamentação de trabalho e acesso a cobertura de proteção social. Nas áreas de produtividade elevada ou média - em que as empresas tendem a ser mais formais - também mostra a incidência do emprego informal, embora em menor grau, refletindo principalmente as estratégias de redução de custo. A OIT estima que, entre as duas modalidades, 53.8% da população urbana independente da América Latina e do Caribe teve um emprego informal em 2016. Por outro lado, hoje, através de plataformas digitais, estão sendo gerados trabalhos que não são abrangidos pela legislação do trabalho existente, quando então há a ameaça de uma nova modalidade de informalidade e emprego precário sendo gerado.

 

Durante seu discurso, Mario Cimoli disse que a análise da informalidade - que constitui um obstáculo à fruição dos direitos laborais e sociais dos trabalhadores da região - não deve ser limitado a políticas de mercado de trabalho, mas é necessário vincular esse fenômeno com fatores estruturais e conjunturais, tais como crescimento econômico, mudanças tecnológicas, a dinâmica da reprodução da pobreza e da desigualdade e limitações externas da região, disse.

Mulheres vivem mais do que homens na maior parte dos países, diz relatório da ONU

A expectativa média de vida global aumentou cinco anos e meio desde a virada do século, e as mulheres sobrevivem mais do que os homens “em todos os lugares”, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS). “Seja homicídio, acidentes de trânsito, suicídio, doenças cardiovasculares — uma e outra vez, os homens estão pior do que as mulheres”, disse Richard Cibulskis, principal autor do Panorama Mundial de Estatísticas de Saúde da OMS 2019. Além do aumento médio de 66,5 para 72 anos no geral, os resultados também mostraram que a expectativa de vida “saudável” — o número de anos que as pessoas vivem com saúde total — aumentou de 58,5 em 2000 para 63,3 em 2016. Outros resultados demonstraram que as taxas globais de suicídio foram 75% mais altas nos homens do que nas mulheres, as mortes por lesões na estrada foram mais de duas vezes mais altas nos homens do que nas mulheres com mais de 15 anos e as taxas de mortalidade masculina ligadas ao homicídio foram quatro vezes maiores.

ANIVERSARIANTES    (nossos cumprimentos)

 

ABRIL

06\04   José Roberto RJ;                    

12\04   Jaci Joaquim RJ;

13\04   Edson Fogaça DF;                 

17\04   Sergio Bogado RJ;   

21\04   José Freire RJ;                       

21\04   Maite Baena RJ;

21\04   Volgmara  RJ;                      

22\04   Lucien Munoz RJ;

MAIO

01\05   Bernardino RJ;                    

06\05   Norma Siciliano RJ;

08\05   José Carlos Ferreira BSB;      

08\05   Renato Gusmão  RJ;

09\05  Paulimar RJ;                       

10\05  Telva Barros SP;

14\05  Josette RJ;                         

14\05  João Garcia RJ;

15\05  Branca Moreira  Alves MG;   

17\05  Celso Schenkel  DF;

19\05  Ruy Ferreira Jr RJ;               

21\05  Maria Aparecida RJ;

22\05  José Leite BSB;                    

25\05  Maria Helena Cozzolino RJ;

JUNHO

05\06   Bernadeth  Martins BSB;        

07\06   Francisco Brandão  PE;

10\06   Suely Machado SP;                

12\06   Antonio Francisco RJ;

14/06   Antonio Diegues SP;            

17\06   Valeria Schilling  RJ;

25\06   Lucie Claude RJ;                

29\06   Pedro Jeovah Pereira RJ;

30\06   Delourdes dos Santos DF;   

30\06   Albino José Belotto RJ;

Expediente:

Giovanni Quaglia / Presidente \ presidente.aafib@gmail.com; coeditor do Boletim;

João Carlos Alexim / Vice-presidente \ jc.alexim@gmail.com, editor do Boletim;

Jacques Schwarzstein, / Secretário / jacquesaafib@gmail.com;

Luiz Mauro Donato / Tesoureiro / lm.donato@hotmail.com;

Cintia Freitas \ Nova Diretora do Núcleo de Brasília, cintiabvfreitas@gmail.com;

Udo Bock \ udobock@uol.com.br;): Diretor Núcleo São Paulo;

Sumaya Garcia \ Gerente do Site (aafib.net)     

 

Sede da AAFIB: Av. Marechal Floriano 196 - Palácio Itamaraty: UNIC-Rio\ Centro\ Rio de Janeiro\ RJ \ CEP 20080-002.