Programa da ONU (continuação)

O PMA foi elogiado por líderes mundiais e grupos humanitários com a entrega do Prêmio Nobel da Paz de 2020. A entidade da ONU, que forneceu comida para 100 milhões de pessoas no ano passado, elogiou seus funcionários depois de receber a honraria - a 101ª vez que o Prêmio Nobel da Paz foi entregue.

 

Dan Smith, diretor do Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo, declarou que viu a decisão como "positiva". "Há uma urgência para a questão no momento, porque, após décadas de progresso, a fome mundial começou a aumentar nos últimos quatro anos, impulsionada principalmente pelas mudanças climáticas", disse ele. O prêmio também poderia servir como um alerta aos governos que desacreditam e retiram fundos de grupos internacionais - um ponto que o Comitê do Nobel fez questão de destacar.

 

“O multilateralismo parece viver um tempo de falta de respeito nos dias de hoje", disse sua presidente Berit Reiss-Andersen na sexta-feira. "Quando você acompanha o debate internacional e o discurso, é uma tendência que as instituições internacionais pareçam ser desacreditadas mais do que, digamos, há 20 anos", disse ela. "Quando a ONU foi fundada, havia uma grande ênfase no universalismo do mundo", acrescentou Reiss-Andersen. "Há também uma responsabilidade universal pelas condições da humanidade."

“Esta é a primeira vez na minha vida que estou sem palavras!", disse o diretor executivo David Beasley, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA), reagindo com alegria e descrença à notícia da vitória de sua Organização no Nobel. "Eu não posso acreditar!", disse ele aos funcionários de Niamey, Níger. Ele agradeceu aos funcionários por “colocarem suas vidas em risco”.

 Salvar  vidas,  mudar  vidas.  O Programa  Mundial de Alimentos das Nações Unidas  é a maior agência humanitária do mundo  que trabalha para alcançar a fome zero.