BOLETIM AAFIB 122 - NOVEMBRO / DEZEMBRO 2017

Associação dos Antigos Funcionários Internacionais do Brasil                                                                      

(aafib.net)    Fundada em 1987       Afiliada à  FAFICS

O Fim de Ano está à vista. É hora dos balanços para aferir ganhos e perdas, também nas amizades e na vida. Os idosos já acumulam experiência nesse exercício e sabem que muito pouca coisa muda em função de um novo ano. Talvez o ânimo, para baixo ou para cima e pelo menos nos primeiros dias. Mas logo se acostumam com a nova data que devem acertar nos cheques (já quase fora de uso) e nas referências coloquiais. Logo será preciso pensar no que se pode ou se deve esperar de 2018. Muitos se prendem na lenda dos anos pares e ímpares. Os desastres costumam seguir os anos pares, ou seria o contrário?

 

Como este é o último Boletim do ano, desejamos a todos os nossos associados, seus familiares e amigos, muitas alegrias no Natal, muitas festas no Fim de Ano e um próspero Ano Novo. Que venha 2018.

 

Enfrentando Limites dos Planos de Saúde

 

A Diretoria da AAFIB e em particular o presidente Giovanni Quaglia tem realizado um esforço concentrado para desenhar e contratar um Plano de Saúde Complementar para os que precisem cobrir áreas ou limites dos planos do Sistema das Nações Unidas. A questão se relaciona com a adequação desses planos às condições locais do país e aos recursos limitados dos aposentados. Mesmo as pensões maiores podem não dar conta dos valores praticados pelo comércio brasileiro da saúde, sobretudo porque os hospitais públicos são impraticáveis.

 

Giovanni Quaglia concorda que o atendimento médico / hospitalar de carácter público na Europa é geralmente de boa qualidade e a preço acessível. Em compensação, com exceção da Áustria e da Itália, que fizeram acordos com a ONU, os aposentados do Sistema residentes na Europa, pagam cerca de 30% do valor recebido anualmente do UNJSPF em imposto de renda. Na Holanda e países escandinavos sobe para cerca de 40%. No Brasil estamos isentos.

 

Segundo Giovanni, “a cobertura médico / hospitalar com o ASHI (After Service Health Insurance) pode não ser muita coisa, mas para os aposentados é quase de graça. Representa um direito adquirido por termos pago valores bastante altos pelo seguro médico durante o período da ativa. Quem pagou mais recebe mais. Não tem almoço grátis em lugar nenhum e a FAFICS com o apoio das AFICS\AAFIB está lutando para que nós não percamos os benefícios atuais. Vamos manter o foco sobre o ASHI e encontrar soluções locais a problemas locais que não são apenas do Brasil. Na maioria dos países com atuação da ONU no terreno os aposentados enfrentam a mesma situação. Nos Estados Unidos o atendimento público da saúde não é melhor que no Brasil e o privado é bem caro”.

A AAFIB está focando na situação das pensões menores e nos planos com limites realmente abaixo do recomendável. No momento estão sendo discutidas condições com a Pacific Prime, que comercializa vários modelos de negócio e está identificando uma fórmula possível na negociação das partes, ou seja, a AAFIB seria identificada como "grupo de afinidade", com o objetivo de conseguir um desconto mantendo as apólices individuais para refletir as condições de cada caso. Nossos associados terão notícias brevemente das negociações em curso e poderão optar por condições mais apropriadas, dentro de limites.

 

Diretório da FAFICS se reuniu em Viena

O Diretório da FAFICS se reuniu em outubro em Viena para examinar a execução do programa de trabalho e fez também uma avaliação sobre o seu próprio futuro (Quo vadis?).

 

Linda Saputelli aproveitou para revisar as descrições de cargos atualmente em exercício e examinar ajustes e adequações para as funções de secretário\a e vice-presidentes. Depois de uma discussão intensiva e introspectiva, o Diretório concluiu que, numa época em que os sindicatos estão sendo enfraquecidos e os serviços civis politizados, provocando assim um efeito cascata em todo o Sistema Comum das Nações Unidas, a FAFICS enfrenta dois principais desafios:

 

Primeiro, a Federação precisa aumentar sua visibilidade e o acesso e voz nos vários agrupamentos e corpos legislativos e comissões interagências em questões relacionadas com as pensões e seguros de saúde. Em segundo lugar, a Federação deve revisar o grau em que alcançou seus objetivos previstos nos estatutos. Como uma entidade global, a Federação tem o dever de: (i) aumentar a coerência e a cooperação entre seus membros associados; (ii) aumentar sua assistência às federações, associações e sindicatos do pessoal; (iii) aumentar sua presença nos órgãos de decisão em níveis locais e em todo o sistema; (iv) e aumentar o uso de todas as tecnologias disponíveis para melhorar a comunicação dentro do Diretório e com as associações membros, bem como com outros interlocutores.

 

O Diretório examinou o documento de discussão preparado por Jerry Barton sobre as funções substantivas dos vice-presidentes. Recorde-se que o regimento da Federação estipulou que os vice-presidentes devem auxiliar o Presidente em suas funções. Além disso, o Presidente pode atribuir a cada um dos vice-presidentes responsabilidade especial para uma área substantiva dos trabalhos da Federação. No entanto, atribuir áreas substantivas de trabalho de vice-presidentes não significaria assumir a responsabilidade do Presidente ou das cadeiras dos comitês permanentes, mas apenas aumentar a capacidade do Diretório para ser eficaz. No documento foram identificadas seis funções essenciais: (i) adesão de novos membros; (ii) relação com membros associados; (iii) realização de atividades de relações públicas; (iv) contribuição com o comitê editorial; (v) melhoria do acesso a informações do Fundo de Pensões; (vi) seguimento do trabalho atribuído em conformidade com planos da FAFICS e coleta de ideias para programas de trabalho a longo prazo.

 

Sobre a representação dos aposentados nas comissões de pensão dos Organismos, dado o acordo do Conselho da Pensão com a proposta de FAFICS sobre a questão, associações membros devem ser instadas a acompanhar atentamente os desenvolvimentos da matéria nos respectivos países.

 

Comitês diretivos dos planos e seguros de saúde: A presidente tinha escrito recentemente ao secretário-geral sobre a criação de mecanismos para assegurar a representação adequada dos aposentados nas comissões acima. Nenhuma resposta tinha sido recebida até a data.

 

Vale destacar que o UNFCU, a cooperativa de crédito em Nova York, que reúne staff e aposentados das Nações Unidas, doou dez mil dólares à FAFICS para fins específicos.

 

Notas de nosso colega Iutaka correspondente em Nova York:

a)...O Presidente da Federação dos Sindicatos de Pessoal, que representa 80.000 funcionários, apresentou uma carta à Assembleia Geral da ONU e aos órgãos subsidiários solicitando uma reforma na estrutura administrativa do Fundo de Pensão, incluindo uma mudança na forma como o chefe do Fundo é escolhido.

 

b)...O Tribunal Administrativo rejeitou o veto do Fundo à presença de dois representantes do pessoal como membros do Pension Board. O Tribunal decidiu que o ato era ilegal.

 

c)...O CEO Sergio Arvizu está ausente desde agosto e o subchefe Paul Dooley anunciou publicamente que ele vai se aposentar em junho de 2018.

 

d)...António Guterres anunciou a indicação de Sudhir Rajkumar, da India, como Representante do Secretário-Geral para Investimento (RSG) do Fundo de Pensões. Ele substitui Carol Boykin, dos Estados Unidos, que foi questionada pelo sindicato do pessoal durante todo seu mandato. Mr. Rajkumar traz consigo uma bagagem de mais de 28 anos de experiência em investimentos, em amplos sentidos, cobrindo formulação e implementação de políticas de investimento, e experiência com mercados globais, transações privadas e engajamentos como consultor em projetos corporativos de privatização. Esperamos que Mr. Rajkumar tenha muito êxito em suas novas responsabilidades e mantenha um necessário nível de rendimento de nossa conta do Fundo de Pensões.

 

Comunicação do Fundo de Pensão

 

Do colega Vanderlei de Marque (Núcleo SP) para os demais colegas:

 

Recebemos recentemente pelo correio uma carta em inglês versando sobre o UID (documento único de identidade). Muitos de nós, mesmo os que temos certo domínio do inglês, mantemos dúvidas ou conhecemos algum colega que não tem esse domínio. Pensando nisso e trocando ideias com Udo Bock, estou anexando esta tradução para facilitar o entendimento de todos, vista a importância do assunto: “Vimos informar aos aposentados e beneficiários do Fundo que, para que o UNJSPF esteja em conformidade com os novos padrões do sistema global de pagamentos aprovado internacionalmente, o endereço de correspondência física do destinatário deverá ser declarado como parte da transação financeira; esta informação não era necessária anteriormente. O UNJSPF se encontra em processo de implementação de uma recomendação pela “força-tarefa de ação financeira” (FATF), órgão intergovernamental que estabelece normas globais endossadas internacionalmente contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo, de modo a aumentar a transparência e permitir que os países logrem êxito na ação contra o uso ilícito de seus sistemas financeiros (mais detalhes sobre o FATF disponíveis em: http://www.fatf-gafi.org). Esta recomendação requer que todas as remessas financeiras feitas agora incluam a informação do endereço físico de correspondência do destinatário. Para evitar que o pagamento sofra atraso ou que seja devolvido, o UNJSPF deve adotar este novo formato a tempo do seu benefício vencendo em 30 de outubro de 2017. Observe que esta carta tem finalidade somente informativa, não sendo necessária nenhuma outra ação a respeito. As informações gerais do UNJSPF e as pensões se encontram disponíveis no site oficial do Fundo, em www.unjspf.org. Para acessar sua conta pessoal, inscreva-se no Serviço de Autoatendimento de Membros (MSS) através do link: https://www.unjspf.org/member-self-service/”. Karl-Ludwig Soll \ Chief Financial Officer, FSS

 

Tradução feita gentilmente por Martha Jalkauskas

 

O Idoso e a Mídia Digital

O uso da mídia digital é uma forma que muitos idosos encontraram para se sentirem parte da sociedade moderna. Eles participam de debates online, marcam encontros para serviços voluntários ou simplesmente conversar em salas de bate papo.

 

As mídias sociais são bem mais que um simples passatempo para os idosos. São instrumentos usados para diversão, informação, trabalho e integração com a sociedade, eles se sentem motivados a entender sobre o mundo virtual. Alguns fazem uso das ferramentas digitais para manter contato com netos e parentes que estão distantes, e assim diminuir a saudade.

 

Segundo uma pesquisa feita pelo IBGE, 5,6 milhões de idosos passaram a ficar online, eles estão se tornando cada vez mais ativos na sociedade.

 

Nossa colaboradora, gerente do site da AAFIB, Sumaya Garcia, está lançando o projeto "Retired yes, out of the world no", destinado a prestar assessoria digital para aposentados e os inserir no mundo virtual. Desde o uso de celular e criação de e-mails até introdução às mídias sociais e construção de sites e blogs, a ideia é dar suporte até a pessoa conseguir a "independência virtual". Para todos os tipos de necessidade, membros da associação terão desconto especial. . E mais: o projeto vai poder atender aos núcleos de RJ, SP e Brasília.

 

Maiores informações pelo 21- 99483-8350 e garcia.sumaya@gmail.com.

Relatório da Reunião do Núcleo AAFIB\Brasília em Outubro

 

Dada a relevância do encontro, que contou com a presença do Coordenador Residente das Nações Unidas e Representante do PNUD, Niky Fabiancic, e da presidente de UNBRALESA no Brasil, Miriam Polito de Fabiancic, o Boletim optou por sua publicação com destaque em anexo.

 

A Rotina dos Idosos

 

Um dos traços mais marcantes da vida do idoso é a frequência de momentos de solidão. É comum o idoso acordar mais cedo e passar horas como o único desperto na casa. Então adiantamos algumas dicas para otimizar suas manhãs: Encontre atividades atrativas pela manhã, como ouvir música, meditar, sair cedo para caminhar ou simplesmente tomar sol, que nessa hora é mais saudável e estimula a produção de melatonina. Procure deitar e acordar no mesmo horário cada dia. Tome um bom café da manhã. Enfim, transforme seus momentos sozinhos em prazeres saudáveis.

 

Intensidade

Há os que querem e os que querem mesmo. Há os escritores e os escritores mesmo, há os que leem e os que leem mesmo...tudo anda tão da boca para fora, tão volátil, descartável, escorregadio, que a intensidade tornou-se um diferencial a ser comemorado. ( Martha Medeiros, Revista Ela de O Globo 01\10\1).

 

A N O S O G N O S I A...

 

Que alívio ter conhecimento disto! Há tempos eu andava preocupado porque:

 

1.Não me recordava dos nomes próprios;

 

2.Não me recordava onde deixava algumas coisas;

 

3.Quando estou conversando e tenho o pensamento interrompido, tenho dificuldades de continuar com a conversa no ponto em que a tinha deixado;

 

Enfim, pensava que tinha um inimigo dentro da minha cabeça, cujo nome começa por Alzheimer.

 

Hoje li um artigo que me deixou bem mais tranquilo, por isso, transcrevo a parte mais interessante: "Se tu tens consciência dos teus problemas de memória, então é porque ainda não tens problemas"

 

Existe um termo médico que se chama ANOSOGNOSIA, que é a situação em que tu não te recordas temporariamente de alguma coisa. Metade dos maiores de 50 anos apresenta alguma falha deste tipo, mas é mais um fato relacionado com a idade do que com a doença propriamente dita. Queixar-se de falhas de memória é uma situação muito comum em pessoas com 50 ou mais anos de idade.

 

Se traduz por não recordar um nome próprio, entrar num cômodo da casa e esquecer-se do que ia fazer lá ou buscar, esquecer o título de um filme, ator, canção, não se lembrar onde deixou os óculos, etc.

 

Muitas pessoas preocupam-se, muitas vezes em excesso, por este tipo de esquecimento. Daí, uma informação importante:

 

"Quem tem consciência de ter este tipo de esquecimento, não tem problema sério de memória. Todos que padecem de doença de memória, com o inevitável fantasma do Alzeimer, são aqueles que não têm consciência do que efetivamente se passa”.

 

O professor Bruno Dubois, do Institut de la Mémoire et de la Maladie d’Alzheimer, do Hôpitaux Universitaires Pitié-Salpêtrière, em Paris, encontrou uma engraçada, mas didática explicação, válida para a maioria dos casos de pessoas que estão preocupadas com os seus esquecimentos: "Quanto mais se queixam dos seus problemas de memória, menos possibilidades têm de sofrer de uma doença de memória".

 

Este documento é dedicado a todos os esquecidos de que me recordo.

 

Se esquecerem de repassar, não se preocupem porque não será Alzheimer... são os muitos anos que pesam dentro das suas cabeças.

 

Se não esquecer repasse..... ( da internet, sem referência de autoria)

TÓPICOS NA AGENDA DA AAFIB

1. Aumentar o número de afiliados de 150 para 200 em 2017-2018 considerando que os aposentados do Sistema ONU do Brasil são 539 na atualidade.

 

2. Negociar um Seguro de Saúde complementar aos ASHI, para quem quer mais tranquilidade em caso de Hospitalização.

 

3. Manter os associados informados através de 4-5 Boletins no ano e a pagina web da associação atualizada.

 

4. Por solicitação dos associados, resolver problemas pontuais com o Fundo de Pensão (UNJSPF), e os After Service Health Insurance (ASHI).

5. Representar a AAFIB, em alto nível, nas reuniões anuais da FAFICS e eventualmente em reuniões regionais.

 

6. Manter um canal de colaboração aberto com o Escritório da ONU no Brasil e suas Agências Especializadas a fim de apoiar novos aposentados a tomar as melhores decisões.

 

7. Organizar reuniões periódicas dos Núcleos e das Assembleias Gerais;

 

8. Administrar os recursos da Associação e prestar contas do uso dos fundos aos associados e à Receita Federal, com a ajuda de um contador Professional.

ANIVERSARIANTES DOS MESES DE NOVEMBRO E DEZEMBRO

Nossos cumprimentos

 

Novembro

01\11 Marco Antonio Vieira RS

03\11 Maria Ligaya DF

04\11 José Lourenço RJ

04\11 Cristina Montenegro BSB

09\11 Julio Manuel Suarez J BSB

12\11 Sandra Valle BSB

18\11 Ítalo Danilo Frasquelli RS

22\11 Carlos Borio CPFA \ RJ

27\11 Creusa Rodrigues RS

27\11 Marcos Ramos RJ

27\11 Lília Souto BSB

29\11 Ralph Hakkert BSB

 

Dezembro

01\12 Udo Bock SP

02\12 Georgina Pinto RJ

02\12 Vera Severo BSB

08\12 Carlos Plum RJ

14\12 Adely da Rocha RJ

15\12 Valdecir RJ

19\12 Ivo Gomes RJ

19\12 Arabela Rota RJ

20\12 Antonio Martins RJ

22/12 Bernardo Brummer DF

25\12 Gilmario Mourão CE

26\12 Jorge Nassif SP

29\12 Perla Vaccaro RJ

30\12 Janes Souza R

 

AGEING

 

A reunião da FAFICS em julho passado terminou com um balanço bastante positivo. Foi um exercício de aprendizado rápido, mas útil para fortalecer o sistema FAFICS/ AFICS respeitando a grande diferença que existe entre as que estão com base nas sedes de Organizações e as outras espalhadas pelo mundo.

 

Quase todas as delegações se surpreenderam quando comuniquei que no Brasil temos o Instituto do Idoso com claras responsabilidades da família, da sociedade e do poder público. Não existe, na maioria dos países, uma legislação específica para defender direitos dos idosos.

 

Esta é uma boa prática brasileira que no contexto da atuação da AAFIB, que mantém sobre o tema um programa a cargo de Maria Helena Mueller, poderemos contribuir.

 

Por Giovanni Quaglia

Expediente

 

Giovanni Quaglia / Presidente \ presidente.aafib@gmail.com; coeditor do Boletim;

João Carlos Alexim / Vice-presidente \ jc.alexim@gmail.com; editor do Boletim

Antonio Celso Zangelmi / Vice-presidente \celsozangelmi2@gmail.com;

Maria America Diniz Reis / Tesoureira e diretora Núcleo RJ \ dinizreismaria@gmail.com;

Arabela Pereira Estrela Rota \ Secretária / arabelarota@uol.com.br;

Diretor Núcleo Brasília: Ralph Hakkert \ ralph_hakkert@hotmail.com;

Diretor Núcleo São Paulo: Udo Bock udobock@uol.com.br;

Gerente do Site (aafib.net): Sumaya Garcia;

 

Sede da AAFIB: Av. Marechal Floriano 196 Palácio Itamaraty: UNIC-Rio\ Centro\ Rio de Janeiro\ RJ \ CEP 20080-002.

 

ANEXO

 

Relatório

 

Reunião da AAFIB\DF contou com Representante da ONU no Brasil

 

A reunião foi coordenada pelo Diretor do Núcleo de Brasília, Ralph Hakkert, e secretariada pela colega Bernardeth Martins.

 

1).. A Sra. Miriam Polito de Fabiancic se apresentou e explicou a função e objetivos da UNBRALESA, lembrando que essa Associação já existe há sete anos no Brasil, filiada à rede mundial da UN Local Expatriate Spouse Association (UNLESA). Foi formada para ajudar os cônjuges dos funcionários internacionais de todas as Agências das Nações Unidas no Brasil, do BID e do Banco Mundial. A Associação acolhe os cônjuges quando chegam ao Brasil tentando ajudá-los para que não se sintam desamparados, passando-lhes informações sobre Brasília, sobre o Brasil, integrando membros que precisam trabalhar e oferece aulas de português. Informou que a Associação tem se empenhado muito em ajudar a passar informações sobre tipos de visto que os cônjuges precisam, já que os Oficiais de Recursos Humanos das agências têm muita dificuldade em passar tais informações. Solicitou parceria da AAFIB, pois os seus associados têm networking ativos no Brasil que poderiam ser contatados, pois alguns cônjuges gostariam de ocupar seus tempos com trabalho remunerado ou voluntário. Na discussão subsequente alguns dos participantes relataram experiências pessoais de dificuldades enfrentadas para conseguir trabalho para os cônjuges e se levantaram algumas sugestões que os cônjuges poderiam desempenhar legalmente. UNBRALESA e AAFIB vão acertar uma agenda de cooperação.

 

2)..Giovanni Quaglia fez um rápido debriefing da sua participação na reunião da Federação das Associações dos Antigos Funcionários Internacionais (FAFICS) que se realizou em Viena, em julho. Destacou algumas questões relativas ao Fundo de Pensão, tais como a população servida pelo Fundo, onde a relação entre o número de participantes e beneficiários passou de 3.12 para 1.70 entre 1980 e 2017. A causa principal foi o envelhecimento populacional, já que a expectativa de vida passou de 72 anos para 83 no mesmo período e contratam-se poucos funcionários jovens. Falou-se também da situação financeira do Fundo, que se mantém solvente, devido a algumas mudanças que foram adotadas como o aumento na contribuição e na idade para aposentadoria aos 65 anos. Foi destacada a importância de uma lista dos documentos que a família do aposentado falecido deve ter prontos para que o Fundo de Pensão possa pagar a pensão aos sobreviventes rapidamente. Foi sugerido, uma vez mais, que cada Associado deixe uma pasta devidamente preparada para o seu familiar. A mencionada lista foi publicada no Boletim AAFIB. Giovanni informou que o Fundo de Pensão enviou uma lista atualizada com 539 nomes de beneficiários do Fundo no Brasil, mas não constam os endereços, por uma política de privacidade do Fundo. Caberá à AAFIB tentar conseguir os endereços/telefones de cada aposentado. Solicitou ajuda dos associados para identificá-los e trazê-los para a AAFIB. Giovanni vem liderando esforços para aumentar a cobertura da AAFIB no Brasil Quanto ao Seguro Saúde para os Beneficiários, Giovanni Quaglia explicou que, com a ajuda da colega Cíntia Freitas em Brasília e colegas no Rio de Janeiro, está sendo analisado um plano de saúde que foi apresentado por uma empresa internacional que permitirá que os associados façam um plano de saúde individual de cobertura complementar, mas como participantes de um " Grupo de Afinidade AAFIB". O problema com os planos de saúde do Sistema ONU-ASHI (principalmente para os funcionários locais que não fazem parte da OPAS/OMS, UIT e OIT) é que o teto de cobertura é muito baixo (cerca de R$ 90.000 por ano) especialmente quando os aposentados precisam de assistência hospitalar.

 

3).. Ivo Steffen comunicou o falecimento de sua cunhada Lucia Batista, uma das fundadoras da “Brasília Super Rádio FM”. A cerimônia fúnebre de Lúcia foi realizada com a presença do governador de Brasília, o senador Cristóvão Buarque, muitas outras autoridades e centenas de pessoas.

 

4)..Francisco Menezes convidou os presentes para assistirem à apresentação de sua tese de mestrado sobre “Metodologia de Personalização” na UnB.

 

5)...Maria Etelvina de Toledo Barros sugere a leitura da Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa, elaborada pelo Ministério da Saúde, que já está na sua quarta edição, tamanha é a sua importância e diversidade de informações. Essa Caderneta pode ser conseguida no próprio Ministério da Saúde ou através do site www.saude.gov.br/bvs ou http://editora.saude.gov.br.

 

6)... Apresentação do Coordenador Residente do Sistema Nações Unidas no Brasil e Representante Residente do PNUD sobre a Relevância das Nações Unidas no Mundo de Hoje e como a AAFIB pode contribuir.

 

Niky Fabiancic deu as boas vindas aos participantes e começou a sua fala informando da importância do mês de setembro para a ONU por causa da Assembleia Geral, realizada em Nova Iorque no dia 17 de setembro. Recomendou aos presentes escutarem a fala do Secretário Geral das Nações Unidas feita durante a Assembleia e mencionou alguns pontos que julgou importante tais como: (i) os funcionários das Nações Unidas enfrentam vários desafios; (ii) o mundo está com problemas, as pessoas estão lutando, nervosas e inseguras; (iii) A desigualdade está aumentando e o clima mudando; (iv) A economia global está cada vez mais integrada, mas o nosso senso de comunidade global está desintegrando. As sociedades estão fragmentadas, o discurso político está polarizado. A confiança dentro e entre os países está sendo desfigurada. O Secretário Geral enfatiza que nós estamos em um mundo em pedaços e que precisamos ser um mundo em paz. Disse que juntos podemos reconstruir a paz.

 

Mencionou as sete ameaças que acredita estão em nossos caminhos: (i) nuclear; (ii) global do terrorismo; (iii) conflitos não resolvidos; (iv) mudanças climáticas; (v) aumento da desigualdade; (vi) inovação; e (vii) mobilidade humana.

 

Ressaltou que é necessária uma reforma das Nações Unidas para se adequar ao mundo atual. Estamos para servir e ajudar o nosso povo e para isso o multilateralismo é essencial.

 

Quanto ao Brasil, disse que a economia mundial é de mais de trezentos trilhões de dólares e que o Brasil tem por volta de 1.5% desta economia. A desigualdade é um tema relevante, como exemplo mencionou que nos paraísos fiscais tem mais de 20 trilhões de dólares depositados. As Nações Unidas, no Brasil, têm a prioridade em acompanhar a agenda 2030. O Brasil teve um papel importante na definição dessa agenda porque sediou a Rio+20, e foi durante esse encontro que se iniciou a agenda ODS. O marco de parceria para se seguir essa agenda e definir o Brasil do futuro está organizado nos cinco pilares dos ODS: Pessoas, Planeta, Prosperidade, Paz e Parcerias. Os ODS contam com o apoio das 23 Agências que se encontram no Brasil, mas o maior problema é o recurso financeiro para colocar as ações em prática, já que somente quatro agências contam com um orçamento maior de US$ 20 milhões por ano.

 

Os ODS são muito estratégicos e permitem que várias ações os apoiem: (i) redução da desigualdade; (ii) proteção do meio ambiente; (iii) fortalecimento das instituições. O Representante Residente sugeriu aos presentes a leitura do Relatório Mundial do Banco Mundial “Democracia e Lei”, já que julga um tema interessante e importante.

 

Contou que se está buscando parcerias nacionais, mas que somente 10% delas são, de fato, sustentáveis. Uma ideia seria promover as atividades esportivas, por exemplo, pois várias prefeituras deixam de aplicar nessa atividade, por falta de recursos, preferem e precisam aplicá-los em outras áreas, tais como: saúde, educação e segurança.

 

Abriu-se o debate e houve uma pergunta sobre a posição de Trump durante a Assembleia Geral da ONU. O Representante Residente não quis comentar sua opinião pessoal, mas disse que a Nações Unidas precisa de uma reestruturação. A contribuição dos EUA é de mais de 20% (22% em 2015) do total de contribuições regulares. E Trump espera que os outros países também contribuam mais. Retirar os EUA do Acordo de Paris foi um grande erro já que é evidente a mudança climática.

 

Sobre a taxa de investimento de 15% do PIB que o Brasil aplica para o seu desenvolvimento, foi perguntado ao Representante Residente, o que ele achava. O Brasil vai aplicando uma taxa baixa como essa para o seu crescimento quando outros países emergentes aplicam um 30 % do PIB em investimentos e crescem a um ritmo de 5% ou mais por ano (China, Índia, Tigres Asiáticos, ECT). Ele respondeu que é necessário organizar diálogos com a sociedade em geral para pensar o Brasil do futuro. Disse que o PNUD está buscando parceiros e querem trabalhar com o BNDES e daí criar o espaço do Brasil do futuro. Disse que se deve comprometer os candidatos que vão concorrer às eleições. Repensar em investir nos jovens e na economia de baixo carbono. Se um país não está organizado, ele tem problema. Brasil tem uma Constituição presidencialista. Fala-se de reforma, mas tudo em curto prazo. Deve-se pensar que a eleição é um momento de renovação, e deveria se fazer um planejamento a longo prazo com temas importantes como ciência, tecnologia e jovens.

 

Bernardeth Martins apresentou ao Representante Residente o CODESE (Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico do Distrito Federal) que tem como seu objetivo principal planejar Brasília, o Distrito Federal e o entorno a médio e longo prazo, debatendo questões sociais e urbanas e propondo ações efetivas para o crescimento e desenvolvimento sustentável de toda região geoeconômica. Explicou que o CODESE está se espelhando nos ODS das Nações Unidas, e por coincidência tem 17 Câmaras Temáticas que tratam de temas parecidos aos 17 ODS e aproveitou para convidar o Representante Residente para fazer uma visita aos membros do CODESE para apresentar a eles os ODS do Sistema ONU. O Representante Residente disse que os seus técnicos poderiam fazer tal apresentação, mas se colocou à disposição para futuras eventualidades e disse que o PNUD gostaria de atender a várias demandas do Brasil, mas que foi decidido pegar alguns pilotos, como, por exemplo, a Cidade de Alto Paraíso de Goiás onde estão sendo desenvolvidos os ODS na área de turismo. Entretanto, infelizmente, por falta de recursos financeiros, não é possível atender a tantas demandas do Brasil.

PRÓXIMA REUNIÃO AAFIB

 

Foi comunicado que a próxima reunião da AAFIB será realizada no próximo dia 6 de dezembro no mesmo horário. O jantar de confraternização de Fim de Ano dos associados da AAFIB neste ano será realizado no dia 15 de dezembro às 20:30 horas na residência de Giovanni Quaglia no Lago Sul. Cada participante deverá entrar em contato para confirmar presença. A reunião foi seguida por um habitual almoço no restaurante "Farol" do Iate Clube.

PARTICIPANTES E ORGANISMO DE ORIGEM

1. Alfredo Henrique Costa Filho (PNUD/ILPES/CEPAL)

 

2. Bernardeth de Fátima Silva Martins (OIT)

 

3. Cristina Montenegro (PNUD/UNEP)

 

4. Cíntia Freitas (UNODC/UNAIDS/UNESCO)

 

5. Eunir Soares de Genovese (OPAS/OMS (esposa))

 

6. Francisco Menezes (UNESCO)

7. Giovanni Quaglia (FAO/UNODC)

 

8. Heitor Gurgulino de Souza (Universidade da ONUD - Tókio)

 

9. Ivo Steffen (OIT)

 

10. Jeanne Marie Claire Sawaya (UNESCO)

11. Juan Zavattiero(UIT)

 

12. Julio Manuel Suárez (OPAS/OMS)

 

13. Junia de Souza Puglia (UNIFEM)

 

14. Lilia Maria Chuff Souto (PNUD)

 

15. Maria Dulce Silva Almeida (UNESCO)

 

16. Maria Helena Diogo (PNUD)

 

17. Maria Etelvina Toledo Barros (UNAIDS/OMS) (SP)

18. Miguel Angel Genovese (OPAS/OMS)

19. Milton Thiago de Mello (FAO/OMS)

20. Miriam Polito de Fabiancic (UNBRALESA)

21.Teresa Susana Chaves (PNUD)

22. Ralph Hakkert (UNFPA)

NOTA DA SRA. FABIANCIC ENVIADA DEPOIS DA REUNIÃO

Muito obrigada pelo convite e por sua deferência para nós na reunião do AAFIB na quarta-feira passada. Eu fiquei muito impressionada pelo trabalho que vocês fazem em prol da comunidade dos aposentados do sistema. Achei muito interessantes as possibilidades que discutimos, tanto na reunião como na conversa prévia.

 

Algumas das ideias que surgiram de trabalho em parceria seriam: -

 

-oportunidade de estabelecer um diálogo contínuo entre as duas organizações, que achamos são por natureza complementárias e com objetivos afins.

 

--possibilidade de divulgação das atividades do Unbralesa com AAFIB e vice-versa.

 

--muitos de nossos membros estão desenvolvendo microempresas que seriam muito beneficiadas pela divulgação em redes sociais e outros círculos fora do Unbralesa.

 

--possibilidade de incluir um enlace do AAFIB na nova página web do Unbralesa

 

--convites para membros do AAFIB interessados como palestrantes para nossos "networking lunches". Tópicos podem variar, desde temas relacionados com aposentadoria, saúde e trabalho, até palestras sobre cultura, literatura, arte, culinária, turismo, etc. Também estamos trabalhando em uma série de tópicos para nossos membros e gostaríamos de convidar os membros do AAFIB.

--AAFIB poderia ser nossa parceira na divulgação das nossas atividades (como fotografia, escola de dança e yoga, oficinas de arte e joalheria, etc).

 

No mês próximo, estaremos trabalhando na programação da jornada de "CAREER DEVELOPMENT" dirigida a cônjuges de funcionários e apreciaremos muito suas ideias e propostas de palestrantes. Nesse sentido gostaríamos de conversar mais com vocês nas próximas semanas. Novamente, ficamos muito gratos com esta possível parceria. Muito obrigada pela oportunidade.

 

Atentamente,

Miriam Polito de Fabiancic Chairperson United Nations

Local Expatriate Spouse Association in Brazil

unbralesa@gmail.com